quinta-feira, maio 23Notícias
Shadow

TDAH na infância: Como as atividades artísticas podem influenciar positivamente no tratamento?

Manifestações do transtorno começam ainda nos primeiros anos de vida e atividades como dança, teatro e pintura podem ser a principal saída para redução dos sintomas, segundo especialista

O TDAH ou Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade, é uma das condições mais comuns do Brasil, com cerca de 2 milhões de casos por ano. Para ser ainda mais exato, ao menos 5% da população infantil do mundo é atingida pelo transtorno, de acordo com a Associação Brasileira do Déficit de Atenção. Mesmo que o TDAH não tenha cura comprovada, é possível realizar o tratamento através de medicamentos como a Ritalina, por exemplo. Acontece que, além de muitos pais evitarem o uso de remédios no caso de crianças e adolescentes, farmácias do país estão sofrendo com a carência de estoque nos últimos meses. Sendo assim, é preciso encarar a possibilidade de tentar outras soluções. 

Porém, antes de definir novas alternativas, é necessário entender qual a origem do problema. Segundo Nathalia Brandão, especialista em psicologia infantil e adolescente há 8 anos e uma das profissionais presentes na plataforma da Baby Concierge, face digital pioneira no universo materno infantil, o TDAH pode começar a se manifestar ainda na infância e, ser decorrente de uma linha hereditária: “O TDAH manifesta-se nos primeiros anos de vida e pode durar até o fim dela. Estudos apontam que é possível uma predisposição genética, considerando a semelhança do comportamento em outros familiares. Vale ressaltar também, que há chances de fatores ambientais influenciarem no diagnóstico e alguns estudos apontam que o uso excessivo de telas digitais pode justificar um possível diagnóstico, mas isso ainda não foi comprovado”. 

Visando contextualizar a condição, Nathalia realiza uma breve análise neurológica: “TDAH é um transtorno do neurodesenvolvimento multifatorial que, de acordo com uma teoria que acredito, não se trata de deficiência intelectual, mas da dificuldade em obter e manter o foco.” Ela também explicita os principais fatores influentes e sintomas da doença: “Pessoas com TDAH, costumam apresentar alterações na região frontal do cérebro, manifestando a redução da capacidade de atenção, dificuldade de seguir instruções, alteração no autocontrole, ansiedade, redução da capacidade de planejamento, dificuldade de memória, de manter-se parado fisicamente em um lugar e esperar sua vez para falar.”

Em relação às formas de tratamento do TDAH, a psicóloga afirma que existe uma saída, exercitada com menos frequência do que deveria: as atividades artísticas podem ser uma das principais maneiras de reduzir os sintomas. “A arte é parceira na procura pelo controle e manejo dos comportamentos e emoções de uma criança ou adolescente. Atividades como essas estimulam os relacionamentos interpessoais, que podem vir a piorar ao longo dos anos devido ao transtorno, além de fortalecerem a criatividade. Praticando, é possível equilibrar os neurotransmissores importantes no cérebro, capazes de expressar sentimentos positivos ligados ao prazer e ao bem-estar”. 

Dentre as opções de programas artísticos, Nathalia ressalta a importância da movimentação do corpo e da mente: “A maneira mais benéfica de trabalhar os sintomas de TDAH de uma criança são atividades como dança, expressão corporal, teatro, música e especialmente a pintura. Aulas e afazeres como estes podem ser eficientes na busca pelo controle do comportamento.” Ela ainda oferece dicas de como convencer os pequenos a desenvolver as tarefas: “Sugiro que os pais participem sempre que possível e tornem algo leve e divertido, sem obrigatoriedade. Evitando que a criança seja pressionada, ela ficará mais satisfeita em realizar as atividades e assim, aumentar sua criatividade e imaginação”. 

Por fim, para reforçar a importância de um diagnóstico médico, a especialista afirma que a identificação incorreta do transtorno acontece com frequência: “É preciso analisar com cautela, pois, hoje vemos uma enxurrada de diagnósticos incorretos, que podem impactar negativamente no tratamento adequado aos sintomas. E, por mais que o diagnóstico seja clínico, caso se dê por uma equipe multidisciplinar, as chances de ser assertivo se tornam bem maiores”. Nathalia ainda explica a diferença entre o comportamento hiperativo e TDAH, além de estabelecer uma forma curiosa de separá-los: “Crianças hiperativas são agitadas e inquietas, o que pode ou não sinalizar um transtorno. Já o TDAH é caracterizado pela combinação da dificuldade de atenção com agitação motora e impulsividade. Para o diagnóstico é preciso também, que o mesmo comportamento aconteça em pelo menos dois ambientes diferentes”.