sexta-feira, junho 14Notícias
Shadow

Algumas doenças vasculares têm maior prevalência em mulheres quando comparadas aos homens

Cuidar do sistema circulatório reduz o risco e complicações

Em 8 de Março é comemorado o Dia Internacional da Mulher, a data é conhecida por reforçar temas de importância para a sociedade, como o empoderamento feminino, mas também prioriza a conscientização por assuntos como saúde e bem-estar. A Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular – Regional São Paulo (SBACV-SP) aproveita a ocasião para destacar alguns cuidados relacionados à saúde vascular da mulher.

Cuidar do sistema circulatório precocemente é muito importante para prevenir e tratar doenças vasculares, melhorar a qualidade de vida e reduzir o risco de complicações graves, como infarto, acidente vascular cerebral e embolia pulmonar. O fluxo sanguíneo é responsável por levar, além do sangue, o oxigênio e nutrientes para todas as células do corpo, e também remover resíduos e toxinas. Qualquer problema nesse sistema pode afetar a função de órgãos e tecidos, e causar sintomas como dor, inchaço e dificuldade de movimentação. Por isso, é fundamental que as pessoas se conscientizem da importância de zelar pela saúde vascular e passem a adotar hábitos saudáveis desde cedo.

Algumas doenças vasculares têm maior prevalência nas mulheres quando comparadas aos homens, como, por exemplo, as varizes, devido ao histórico familiar, fatores como mudanças hormonais durante a gravidez, menopausa e uso de contraceptivos orais.

A cirurgiã vascular e membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular – Regional São Paulo (SBACV-SP), Dra. Rina Maria Pereira Porta, esclarece que as varizes podem afetar a saúde das mulheres de várias maneiras. “Essa condição consiste em veias dilatadas e tortuosas que surgem principalmente nas pernas, mas também podem ocorrer em outras partes do corpo. Embora, geralmente não representem um problema de saúde grave, elas podem causar desconforto e ter consequências negativas para a saúde das mulheres. Pode também ocorrer com a gravidez devido ao aumento da pressão sanguínea e ao peso do útero em crescimento”, explica Dra. Rina.

Entre os principais sintomas das varizes estão dor, inchaço, cansaço e sensação de peso nas pernas, que podem afetar a qualidade de vida das mulheres e interferir na capacidade de realizar atividades diárias, como caminhar, subir escadas, entre outras ações. Além disso, as varizes podem prejudicar a autoestima e o bem-estar emocional das mulheres, especialmente àquelas que se sentem constrangidas em expor as pernas.

Dra. Rina alerta ainda que as varizes também aumentam o risco de complicações como a Trombose Venosa Profunda (TVP) e até mesmo embolia pulmonar. Nos casos avançados podem ocasionar as úlceras de perna, que são feridas que podem ser difíceis de cicatrizar e aumentam o risco de infecção.

Outras Doenças Vasculares merecem destaque por impactarem de modo significativo na saúde das mulheres

Doença Arterial Coronariana (DAC): é a principal causa de morte em mulheres em todo o mundo. Ela ocorre quando as artérias que fornecem sangue ao coração se tornam estreitas ou bloqueadas devido ao acúmulo de placas de gordura, o que pode levar a um ataque cardíaco. É mais comum após a menopausa, quando os níveis de estrogênio diminuem. A terapia de reposição hormonal pode ajudar a prevenir em mulheres na pós-menopausa.

Doença Arterial Periférica (DAP): é uma condição na qual as artérias que fornecem sangue para as pernas e pés se tornam estreitas ou bloqueadas, causando dor e dificuldade em caminhar. Ela pode levar a complicações como dor nas pernas, úlceras, gangrena e amputação. Além disso, também está associada a um risco aumentado de eventos cardiovasculares como infarto do miocárdio e acidente vascular cerebral. É mais comum em mulheres do que em homens e pode ser agravada por fatores como diabetes, tabagismo e histórico familiar de doenças vasculares.

Acidente Vascular Cerebral (AVC): ocorre quando o fluxo sanguíneo para o cérebro é interrompido, causando danos às células cerebrais. As mulheres têm maior risco de AVC do que os homens, que aumenta após a menopausa devido às mudanças hormonais.

Trombose Venosa Profunda (TVP): é uma condição na qual um coágulo sanguíneo se forma em uma veia profunda, geralmente nas pernas, podendo o coágulo se soltar causando uma embolia pulmonar e requer tratamento imediato. As mulheres têm maior risco do que os homens, especialmente durante a gravidez e o pós-parto, devido a mudanças hormonais e à imobilidade.

Embolia pulmonar: ocorre quando um coágulo sanguíneo se solta e viaja para os pulmões, podendo ser fatal, dependendo do tamanho e da localização do trombo nos pulmões, requer internação hospitalar e tratamento de início imediato. A TVP, bem como a embolia pulmonar, também pode ocorrer em mulheres jovens que fazem uso de contraceptivos, principalmente quando está associado à história familiar de TVP, são obesas, fumantes ou passam por cirurgias ou imobilização prolongada.

Com o envelhecimento, as mulheres podem desenvolver outros fatores de risco, como a hipertensão arterial, o diabetes, a obesidade, o sedentarismo, ocasionando maior predisposição não somente para várias doenças vasculares, como outras doenças em geral.

Nos últimos anos, houve um grande avanço no diagnóstico precoce, tratamento e prevenção das doenças vasculares nas mulheres. A adoção de medidas preventivas, como uma alimentação saudável e a prática regular de atividade física, tem ajudado a reduzir a incidência de casos.

A cirurgiã vascular ressalta que é importante que as mulheres conheçam os sintomas e  busquem orientação médica. “A evolução nos últimos anos de tratamento e diagnóstico precoce e preventivo tem sido significativa na saúde vascular feminina, o que proporciona um melhor controle e prevenção, e melhora assim a qualidade de vida delas. No entanto, é importante ressaltar a importância de manter uma alimentação equilibrada, rica em alimentos de origem vegetal (cereais, legumes, frutas, vegetais e ervas), ingestão de peixe, frutos do mar, ovos, carne branca e laticínios, atividade física e não fumar, e fazer check-ups regulares com o médico, que incluem aferir a pressão arterial e realizar exames que mostrem o nível de glicose no sangue e o colesterol”, reforça a médica.

“A atenção à sua saúde deve iniciar-se desde jovem, adquirindo hábitos saudáveis como atividades físicas regulares e alimentação correta, para que no futuro se mantenha uma boa qualidade de vida”, finaliza a cirurgiã vascular.

A SBACV-SP tem como missão levar informação de qualidade sobre saúde vascular para toda a população. Para outras informações acesse o site e siga as redes sociais da Sociedade (Facebook e Instagram).

Sobre a SBACV-SP

A Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular – Regional São Paulo – SBACV-SP, entidade sem fins lucrativos, é a Regional oficial da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular (SBACV) no estado de São Paulo. A entidade representa os médicos que atuam nas especialidades de Angiologia e de Cirurgia Vascular, nas áreas de atuação de Angiorradiologia e Cirurgia Endovascular, Radiologia Intervencionista e Angiorradiologia, Ecografia Vascular e outras áreas afins às especialidades. www.sbacvsp.com.br