sexta-feira, abril 12Notícias
Shadow

Campanha Setembro Amarelo alerta sobre a necessidade de valorizar a vida

Iniciativa busca reduzir os riscos de suicídio
Criada pela Associação Brasileira de Psiquiatria – ABP, em parceria com o Conselho Federal de Medicina – CFM,
a campanha Setembro Amarelo tem a finalidade de valorizar a vida, com o objetivo reduzir os riscos e índices
de suicídio. A médica psiquiatra Laila Paiva, do Hospital VITA, em Curitiba, explica que o comportamento suicida,
embora cada vez mais trazido à tona por políticas públicas e campanhas de prevenção, ainda é marcado por
tabu e vergonha, o que leva muitas pessoas a evitarem um pedido de ajuda.
Segundo ela, o problema é mais frequente do que se imagina. Ao redor do mundo, o suicídio é a quarta causa
de morte entre jovens de 15 a 29 anos, sendo que o índice de homens é duas vezes maior que de mulheres. No
Brasil, a taxa de mortes por suicídio em 2019 foi de cerca de seis para cada 100 mil habitantes e na região sul os
números foram proporcionalmente os mais altos de todo o país. Para efeito de comparação, a taxa de óbitos
no trânsito no Brasil nessa mesma época foi de cerca de 13 para 100 mil habitantes.

A Dra. Laila conta que estudos mostram que a maior parte das pessoas que cometeram suicídio passaram por
consulta com clínicos gerais ou especialistas no ano anterior à morte, sendo que um quinto delas passou por
algum atendimento até um mês antes de morrer. “Esse dado alerta tanto para a oportunidade que esses
profissionais têm de investigar a presença de uma doença mental, como para a importância de o paciente se
abrir com o médico de confiança, sendo ele psiquiatra ou não”, destaca a especialista.

Estima-se também que o risco de suicídio entre pacientes internados em hospitais gerais seja três vezes maior
do que o observado na população geral. Vários fatores contribuem para isto: a dor, a solidão, o sentimento de
vulnerabilidade e impotência frente a uma doença grave e/ou crônica, o medo de desfechos clínicos negativos
e do sofrimento, bem como o receio de não poder retomar a vida como era antes.

Diante de pensamentos suicidas é importante falar abertamente sobre eles. Manter conexões com pessoas
empáticas, sejam elas familiares, amigos ou profissionais da saúde, é imprescindível para que a pessoa se
fortaleça. Ao surgir pensamentos ruins, a pessoa deve procurar compartilhar com alguém caso esteja sozinha,
uma opção é entrar em contato com o Centro de Valorização da Vida – CVV, pelo número 188, que durante 24
horas possui alguém disponível para escutar e acolher a pessoa, alerta a psiquiatra.

A médica ressalta também sobre a importância da pessoa lembrar das razões que tem para continuar viva:
família, amigos, valores, projetos, religião ou crenças espirituais, lembranças de dias felizes, animais de
estimação. “É importante tornar essas razões concretas e acessíveis para um momento de crise: uma boa dica
é montar uma caixinha com objetos que remetem àquilo que ela identificou que é mais importante. Às vezes,
uma pasta com fotos e lembretes no celular já é suficiente”, complementa a Dra. Laila.

Por fim, a médica reforça que a maior parte das tentativas de suicídio ocorrem entre pessoas que têm uma
doença mental, muitas vezes ainda não diagnosticada. Por isso, diante de pensamentos suicidas a pessoa não
pode hesitar em procurar um psiquiatra, profissional que estará preparado para acolher, diagnosticar e tratar.
“Com o tratamento adequado, é possível voltar a viver uma vida satisfatória e ao olhar para trás perceber que
o que considerava um problema sem solução era na verdade apenas um problema transitório”, salienta.
Sobre o Hospital VITA – A primeira unidade da Rede VITA no Paraná foi inaugurada em março de 1996, no Bairro Alto, e a segunda em dezembro de 2004, no Batel. O VITA foi o primeiro hospital brasileiro a conquistar, no início de 2008, a Acreditação Internacional Canadense CCHSA (Canadian Council on Health Services Accreditation). A certificação de serviços de saúde avalia a excelência em gestão e, principalmente, a assistência segura ao paciente. Além disso, o VITA é um dos hospitais multiplicadores do Programa Brasileiro de Segurança do Paciente (PBSP), que visa disseminar e criar melhorias inovadoras de qualidade e segurança do paciente.

Integra também o grupo de hospitais da Associação Nacional de Hospitais Privados – ANAHP. O VITA oferece atendimento 24 horas e é referência nas áreas de cardiologia, cirurgia geral, neurologia, cirurgia bariátrica, medicina de urgência, urologia, terapia intensiva e traumato-ortopedia. Além disso, dispõe de um completo serviço de medicina esportiva, prestando atendimento a atletas de diversas modalidades; serviço de oncologia; Centro Médico e Centro de Diagnósticos. Para garantir um alto nível de qualidade nos serviços prestados aos pacientes, o VITA tem investido em ampliação da infraestrutura, tratamentos com equipes multidisciplinares, modernização dos equipamentos, humanização no atendimento, qualificação dos profissionais e segurança assistencial. http://www.hospitalvita.com.b

About Author